NÓS DADIVOSOS

NÓS DADIVOSOS Apesar da propensão que nos pertence de ir às gentes e de anunciar, deveríamos aprender antes de tudo acomodar-nos a obscuridade dos rochedos de nossa caverna onde ainda não foi garimpado pelos homens, já que temos em nós intrínseca essa inquietude natural de ser encontrados, como são os finos metais. Deveríamos já está acomodados a umidade das encostas pantanosas e até ter aprendido a se ater discretamente ao destino das pequenas e raras fontes que no desenvolvimento das épocas e através dos descaminhos, algum cansado recostado revigora as energias sob as águas que nos séculos transcorridos foram cultivadas por algum esperançoso. Ou mesmo deveríamos nos investir para o fundo das planícies e transmutar-nos em alimento em forma de fruto da terra, ou mesmo de canal para a seiva tão propicia as grandes árvores. Ah!, mas só queremos transcender em nossa arte ou habilidades para o auge meteórico das faíscas. Waldir Ciriaco

Anúncios

MINHA CONTRIBUIÇÃO

MINHA CONTRIBUIÇÃO

Apropria-se nos uma sensação de posse e pertencimento particular sobre aquilo que descobrimos mesmo que esta descoberta não seja nenhuma novidade ao mesmo tempo que é algo de disponibilidade universal.
Assim ocorre habitualmente no campo das ideias
O agradável é que as ideias em si são cúmplices desta percepção e os poucos que as absorvem se tornam igualmente, se soubermos conciliar, uma espécie de refúgio amigável. E se desta maneira não ocorre concernente a empatia das afinidades, nesse caso também se faz inútil o artifício defensivo, pois aquele que foi despertado para a assimilação, tais represálias ou tolhimentos serão acolhidos como tônico impulsivo; e neste assunto, deixo minha paternal e amigável contribuição:
Muita cautela!
Sob altíssima propensão ao risco de comprometimento de sua liberdade, fica expressamente proibido a leitura de livros.

Waldir Ciriaco

FLUTUANTES

FLUTUANTES

“Siga o seu coração” e todos os homens migrarão graciosamente para o destino dos balões em explosões furiosas ou depressivas.
De emoção em emoção é a convergência aleatória da ingenuidade a equilibrar-se sutilmente entre arroubos de euforias e declives do humor numa espécie de dramaturgia poética que de tão trágica chega a ser cômica
Não ironizo pela vida que ela tem suas tragédias indesejadas e imprevisíveis e também alguma medida de excitação na razão
Mas é que os ventos tem os mesmos componentes dos eflúvios sensoriais de contrapor fluentemente a escalada das montanhas cujos tópicos são os únicos responsáveis pelas vistas amplamente privilegiadas enquanto que a sedição ao conforto imediato dos sopros só permite a mediana aventura, a distração dos sentidos e a concepção de queda.
Não é a toa que os raptos febris e erupções ledas de amores dos românticos sobejem quase sempre em cortejos melancólicos e suicidas.
Enquanto os méritos são a soma do esforço empreendido em cima dos objetivos as sensações tendem a inflar o ego de ilusões ao mesmo passo que promovem a propensão as rupturas e erupções a que a irracionalidade está fadada.

Waldir Ciriaco

NÃO É QUESTÃO DE SOBREPOSIÇÃO, MAS DE PROSTRAÇÃO

NÃO É QUESTÃO DE SOBREPOSIÇÃO, MAS DE PROSTRAÇÃO

Já tive que ao menos por duas vezes confrontar a ousadia de pupilos que de posses de suas condecorações procuram havidos quais os machos da categoria dos animais ovíparos demarcar seu território sobrepondo-se sobre outro da espécie, e criteriosamente eles procuram o que a seus olhos é mais vulnerável como investida precisa de subjugamento tendo em vista a notabilização.
Mal sabem que já mestres milenares refutaram essa prática do saber pela simples concepção da salientação pessoal sem compromissos consistentes e analíticos, reduzindo-os nominalmente a categoria sofística, e nesse tema me faço cansativo, mas é sempre oportuno, e mal sabem os principiantes, da primordialidade que se faz necessária para além das horas habituais de retração com os livros em renúncia e aparente privação recreativa, de um pouco qualquer que seja de prática de andanças aos passos de algum mestre ou de exercitação prática das teorias aplicadas à vivência, extraindo concepções a ferro, fogo, suor, sangue e lágrimas por auroras e noites a fio nas pegadas da grande e por vezes severa maestrina, -a vida-, e por fim e por princípio um prostrar-se autônomo e condicionado diante do que habita para além das extensões celestiais e no âmago mais complexo dos humildes.

Waldir Ciriaco

DO SENTIDO DOS VERBOS

DO SENTIDO DOS VERBOS

Os únicos que poderiam personalizar a essência da filosofia como significação, genuinidade e sapiência seriam cristãos autênticos.
Nunca a análise meramente teórica da crítica social sem envolvimento popular ou esse emaranhado de estigmas e representações enigmáticas e parciais reduzida a entrincheiramentos e proibições, alienada de uma vida influente.
Se eles andassem deveras sob a claridade do conhecimento da verdade, não tropeçariam em preconceitos mitológicos forjados em torno de verbos amplissimos pelo amordaçamento das vias de entendimento cujo o intuito é manter-los predispostos aos interesses institucionais e políticos, e compreenderiam espontaneamente o sentido desses termos.

Waldir Ciriaco

HIPÓTESES

HIPÓTESES

Toda vez que escuto algum eminente vetar qualquer vertente do conhecimento científico, subtamente eu penso na probabilidade que os homens tem à um entendimento faccioso e cômodo.(embora toda a nossa compreensão seja parcial)
Esta consiste em uma hipótese tolerável.
A outra é que amaram mesmo mais as congratulações dos homens em detrimento das inadequações da verdade e portanto tratam de que estes o mantenham sob foco e não percebem que no ápice desta glória muitos já perderam a vida.
Pois já dizia o grande mestre Jesus:
Conhecereis a verdade e esta vos libertará.
Ah, mas eles dirão:
É a verdade da palavra.
Pois bem, eu vos direi nada mais do que está no registro:
“Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora.
Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.”
João 16:12,13; e mais:
“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus.
Todas as coisas foram feitas por intermédio da Palavra, e sem ela nada do que foi feito se fez.”
(João, 1:1,3)
Interpretação?
É exatamente por causa de interpretações restritivas da Palavra criadora que muitos vivem fora dos padrões éticos, mas acreditam está de conformidade com a palavra.
Desleais e confusos no que condiz as suas aspirações mais autênticas em função de uma crença onde a palavra só atua como instrumento de supressão e nunca como aquela que regenera o que criou.
O conhecimento do eterno está bem distribuído em todas as partículas de sua criação e por este quesito os pagãos responderão.
O bom mestre que não teme pela debilidade de seu próprio entendimento ou alter ego, exporia a questão como o apóstolo:
Examinem todas as coisas, retenham o que for bom.
1 Tessalonicenses 5:21.

Waldir Ciriaco

ALGUM COMUM

ALGUM COMUM

Preciso de um amigo que não compactue com todas as particularidades do meu credo, e ainda bem que tenho esse amigo, na verdade quase que o único entre os mortais, para manter-me sempre sóbrio e a par do realismo das limitações humanas, e elevar ao esplendor essa noção de essencial que me é algo assim…, quase bastante. O mundo foi invadido por uma epidemia de semideuses.
Estou cansado de tanta estrela.
Preciso urgentemente me deter a hermenêutica e a homilética dos pescadores e do coletor de impostos que achou-se redimido.
Me sinto tão humano que preciso reencontrar meu habitat antes que eu me veja confundido ou ofuscado por algum asteróide. Ainda posso escutar quase tangível como eco entre as frestas das madeiras e das palhas o jubilar contagioso e os conselhos de uma anônima Maria de Jesus; de algum José, de algum Antônio ou Isaías que nem aprendeu a ler,
mas era autêntico qual Pedro e João que tinham apenas em comum o chamamento.

Waldir Ciriaco